Características
Uvas utilizadas: obrigatoriamente - corvina veronese, rondinella e molinara.
Técnica de Vinificação: antes do processo de fermentação, as uvas passam por uma secagem em armazéns especiais por aproximadamente 3 meses, com isso, elas ficam parecidas a uvas-passas, ou seja, com pouca água e alta concentração de açúcar.
Vinho tinto com cor vermelha rubi intensa, tendendo ao granada com o envelhecimento; aroma de frutas maduras (cereja), frutas em compota e toques herbáceos.
O sabor é aveludado, de corpo intenso e harmonioso.
Teor alcoólico alto (mínimo 14 %).
Vinho com capacidade para envelhecimento (mais de 20 anos da safra).

Cuidado
Não se confunda com o nome: Amarone não quer dizer amargo. Devido à alta concentração de açúcar das uvas-passas usadas em sua produção, o vinho pode ter um pequeno residual de açúcar, tornando-se muito agradável ao palato, apesar de seu alto teor alcoólico.

Importante
O Amarone é produzido com as mesmas uvas do vinho Valpolicella. Os grandes diferenciais são: o processo de secagem antes da vinificação (em lugares parecidos com os mostrados abaixo) e o envelhecimento.





Regulamentação
Denominação:
Amarone della Valpolicella DOC
Data de início: 21/08/ 1968
Zona: Valpolicella Classica; Negrar, Marano, Fumane, Sant’Ambrogio e San Pietro in Cariano. Mais a leste em Val Pantena, Val Tramigna, Val d’Illasi e Val di Mezzane
Uvas: Corvina Veronese + Corvinone = de 40 a 80% (máximo 50% de Corvinone); Rondinella = de 5 a 30%; outras uvas escuras = máximo 15% do total (10% por tipo de uva)
Índice Mínimo de Álcool: 14%
Produtividade Máxima dos Vinhedos: 70.000 kg/ha
Envelhecimento Mínimo: 25 meses.

Melhores Safras (nos últimos anos)
- 2005 (ótima, ainda nova para consumo)
- 2004 (ótima, ainda nova para consumo)
- 2003 (ótima, ainda nova para consumo)
- 2000 (ótima)
- 1998 (ótima)
- 1997 (excepcional)

Vinhos à Venda no Brasil
O meu favorito era o Amarone da Villa Spinosa. Ele surpreendia muitos especialistas (o Ed Motta era um entusiasta deste vinho), mas deixou de ser importado.
Um clássico é o Amarone, do produtor Allegrini, trazido atualmente pela Grand Cru.

Links
Importadora Grand Cru: http://www.grandcru.com.br/
Produtor Allegrini: http://www.allegrini.it/
Produtor Villa Spinosa: http://www.villaspinosa.it/

Autora: Adriana Grasso
Contato: adriana.grasso@uol.com.br

3 comentários:

  1. Raul e Joel Carvalho disse...

    Visualizei o seu blog e está muito interessante... Parabens...

    Gostaria de lhe pedir se poderia colocar o link do meu blog no seu site: http://do-nariz-a-boca.blogspot.com/

    Quando colocar enviei um mail: pirusas.carvalho@hotmail.com

    Abraço  

  2. Simone disse...

    Adorei a dica!  

  3. vinhos do mundo disse...

    Bom dia Adriana,gostei muito de seu post.Nele li que o Amarone não tem relação com o amargo que é sentido em seu final,mas na revista Adega número 35 e no livro tintos e brancos do Saul Galvão dizem ao contrário. Se puder me explicar como você chegou a essa conclusão,pois,gostaria de tirar essa dúvida.Bom é isso,beijo e parabéns pelo blog.  


 

Vinhos Italianos por Adriana Grasso